domingo, 12 de abril de 2015

POLITICANDO

Vergonha Nacional



     É só o que podemos dizer deste Congresso atual.
     Com seus dois presidentes, o da Câmara, Eduardo Cunha e o do Senado, Renan Calheiros, acusados formalmente pela operação da Polícia Federal que investiga a a corrupção, e que vem comprovando os vínculos entre os políticos e as propinas nas empresas públicas, o Congresso Nacional tem uma das legislaturas mais desprestigiadas de todos os tempos.
     A viagem do presidente da Câmara, Eduardo Cunha pelos estados vem comprovando isso. Por onde passa o presidente, que é contra os trabalhadores, os gays, a reforma agrária e contra a devassa que a polícia federal vem fazendo, é recebido em todos os lugares com manifestações de protestos, que não o deixam falar e terminam em conflito.
     O que essa direita pensa que está fazendo? Pensam que podem implementar as tais "reformas neoliberais" que Aécio Neves queria, mesmo tendo perdido as eleições? Pensam que podem apagar conquistas dos trabalhadores, resultados de décadas de luta, promovendo manifestações de rua que primam pelo fascismo e pela incoerência, pedindo a volta da ditadura militar e a destituição da presidente legitimamente eleita?
     Sabemos que por trás disso tudo estão os empresários e seus velhos aliados, as potências estrangeiras que querem ver o Brasil de joelhos e seu povo humilhado e explorado, servindo aos interesses deles, enquanto se apropriam das riquezas nacionais. A aprovação da lei da terceirização é só o começo.
     Será que eles pensam que o povo brasileiro não sabe se levantar e defender suas conquistas?
     Não será porque um partido do governo, que se considera erroneamente como dono das lutas populares (o PT) tem dentro dele políticos corruptos, como têm todos os partidos de direita, que o povo permitirá que a direita assuma o poder tranquilamente e destrua as conquistas democráticas do povo brasileiro.
     Essas conquistas não são do PT, mas vem de muito antes. Getúlio estabeleceu o voto feminino e as leis trabalhistas. Jango instituiu o décimo terceiro salário e estatizou as refinarias. A Petrobrás foi uma conquista histórica do povo brasileiro, liderado pelos comunistas, nacionalistas e trabalhistas, na década de 1950. Não será um Eduardo Cunha qualquer que as jogará na lata do lixo. Muito menos um Renan Calheiros. Mais fácil eles irem para a lata do lixo da história, junto com os Silas Malafaia, Bolsonaro, Aécio Neves e outros representantes da elite parasita que pretende jogar o povo de volta na escravidão da ditadura fascista.
     A situação do Brasil não é boa. Por um lado temos a falência do modelo conchavista de Lula com a direita, que cansada de migalhas agora quer o bolo inteiro. Por outro temos a falência do PT enquanto modelo de virtude política, desmoralizado pelos seguidos escândalos de corrupção. Ainda por cima vivemos os efeitos de uma crise internacional que agora nos atinge fortemente.
     Poucos partidos na esquerda tem representatividade para levantar suas bandeiras (O PSOL e o PCdoB são excessões, mas tem pequenas bancadas). Na direita ninguém tem legitimidade para nada. Então temos um Congresso que não representa mais o povo e advoga os interesses dos traidores da Pátria e dos que só trabalham em benefício próprio.
     Situação perigosa, que tende para um confronto direto entre os que defendem os interesses populares e os que conspiram contra eles. 
     Acima de tudo paira a figura desamparada de nossa presidente, legitimamente eleita mas sem base parlamentar para governar. Se ela não tiver a grandeza de se colocar acima dos partidos e dialogar diretamente com o povo, corremos o risco de escorregar para graves conflitos, que podem terminar com a ruptura da ordem democrática, tão duramente conquistada.

PAPO DE ARQUIBANCADA

DE PROTAGONISTA À COADJUVANTE
Neymar reverencia Messi

         Meus amigos, ontem o craque maior da nossa seleção, Neymar, ao ser substituído no empate com o Sevilha por 2 x 2 - quando estava em campo a partida estava 2 x 1 para o Barça, sendo autor de um dos gols - saiu de bico, resmungando e gesticulando, em forma de protesto contra o técnico Luiz Henrique. Apesar da temporada 2014 / 2015 estar sendo melhor para o nosso camisa 10, Neymar não tem se destacado no Barcelona, como se destaca em nossa seleção. Talvez essa postura submissa ao Messi, quando o próprio brasileiro diz ser Messi FC, seja a grande responsável pela falta de protagonismo do ex garoto da Vila. Já está na hora do camisa 11 do equipe Catalã mostrar sua capacidade de decisão e deixar de ficar tietando o Messi em campo. Mostra o que sabe, Neymar !

VIROU FREGUESIA


           O Vitória, mais uma vez, foi eliminado da Copa do Nordeste pelo Ceará.
          A partida terminou 2 x 2. Como o primeiro jogo havia sido 0 x 0, como critério de desempate, por ter feito dois gols na casa do adversário, o time alvi-negro cearense se classificou para a final e aguarda o vencedor de Bahia e Sport que se enfrentam neste domingo, na Arena Fonte Nova. Esta é a terceira eliminação seguida do time da toca contra os cearenses: já virou freguesia !

CLIPE DA SEMANA

O clipe desta semana é da canção PACIÊNCIA, de autoria e interpretação de Lenine. Curtam !

Lenine

DESTAQUE

Excelente!


     Muito bom o primeiro episódio da série Os experientes, exibida pela TV Globo na última sexta-feira.
     Dirigido por Fernando Meirelles, o programa conta a história de um desastrado assalto a banco em São Paulo, em que um jovem despreparado se vê acuado pela polícia e é socorrido por uma idosa, que aos poucos vai assumindo o centro da trama, enquanto os outros personagens só conseguem ver nela uma velha senhora, incapaz de se cuidar sozinha.
     Destaque para os atores Beatriz Segall ( que interpretou a célebre Odete Roitemann) e João Côrtes (aquele ruivinho dos anúncios da Vivo), ambos muito bem nos seus papéis.
     A trama revela como os idosos são tratados de forma condescendente no Brasil, vistos como incapazes e descartáveis, como se nunca houvessem sido jovens e assumido algum protagonismo nas suas vidas.
     Vai ser difícil superar este primeiro episódio em qualidade.
     Isto nos faz pensar em porque a decadente emissora do "plim-plim" continua investindo em programação de nível tão baixo, como o terrivelmente repetitivo e cansativo Big Brother, que se arrasta há quinza anos.
     Não percebem que os consumidores estão se tornando mais exigentes?
     As velhas atrações como Faustão e Fantástico, já não alavancam mais a audiência.
     O vergonhoso jornalismo manipulador e golpista não se cansa de tentar influenciar a opinião política dos brasileiros, passando ao largo dos fatos e insistindo em versões raivosas e mentirosas, levando a uma perda consistente de credibilidade e, consequentemente, de audiência.
     O Brasil está mudando, o mundo está mudando e Os experientes sinalizam um caminho novo, de excelência, que se fosse seguido nos levaria a um novo patamar. Só falta convencer os donos da velha e desgastada "vênus platinada".

POESIA DA SEMANA


Poética

 

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor.
Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja
fora de si mesmo
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante
exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes
maneiras de agradar às mulheres, etc
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare
— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

Manuel Bandeira
  1. Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro, nascido em Recife, em 19 de abril de 1886 e falecido no Rio de Janeiro em 13 de outubro de 1968

RAPIDINHAS

Acordo histórico


     Brasil e Argentina fizeram um acordo histórico na área militar. Além da venda de 24 aviões supersônicos Gripen, que serão produzidos no Brasil pela Embraer, o Brasil se comprometeu a não deixar que barcos ou aviões ingleses utilizem os portos e aeroportos brasileiros, em caso de conflito com a Argentina pelas ilhas Malvinas.
     Na prática o acordo sela uma aliança militar estratégica entre os dois maiores países da América Latina, contra os interesses colonialistas europeus e norte-americanos. Só está faltando denunciar aquele tratado anacrônico, firmado no tempo de guerra fria, entre os Estados Unidos e todos os países da América, intitulado TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que garante aos Estados Unidos o direito de intervenção se qualquer país de fora do continente entrar em guerra com um país americano. O tratado foi feito contra a antiga União Soviética, que não existe mais, e foi desprezado pelos Estados Unidos quando a Argentina entrou em guerra com a Inglaterra. Em vez de defender o país sul-americano, Washington ficou a favor dos ingleses, rasgando na prática o acordo.

Fim de um anacronismo político

     E por falar em anacronismo, o aperto de mãos entre os presidentes Barack Obama, dos Estados Unidos, e Raul Castro, de Cuba, sela o fim de uma situação anacrônica. Tendo a China Comunista como um de seus maiores parceiros comerciais, os americanos insistiam em manter o bloqueio criminoso contra Cuba, porque o país é governado por um partido também comunista.
     A desistência dos americanos em dobrar o regime cubano, mostra que sua política foi ineficaz e prejudicial às suas relaçõas com a América latina.
     Por outro lado, o fim do bloqueio deve acabar com as justificativas dos comunistas cubanos para manter uma ditadura que também se tornou anacrônica.
     Esperamos que o bom senso prevaleça e que Cuba possa voltar a se desenvolver dentro da democracia, mantendo suas conquistas sociais na educação e na saúde.

O império contrataca


     Manifestações na Venezuela pedem a renúncia de Nicolás Maduro, o presidente de esquerda que sucedeu Chaves e enfrentou os Estados Unidos, ajudando o povo Venezuelano a sair da miséria.
     Manifestações no Chile pedem a renúncia de Michele Bachelet, presidente de esquerda do Chile, que vai revendo as políticas neoliberais implantadas pela ditadura de Pinochet, ditador assassino aliado dos Estados Unidos.
     Manifestações pedem a renúncia de Dilma Roussef, sucessora de Lula, em cujo governo milhões saíram da miséria, e pedem a volta da ditadura militar, que durante 20 anos governou o Brasil apoiada pelos Estados Unidos.
     Manifestações na Argentina pedem a renúncia do Cristina Kirchner, presidente peronista que sucedeu a seu próprio marido e levou o povo argentino a se libertar das garras dos credores internacionais, patrocinados pelos Estados Unidos, que sufocavam a economia nacional.
     Quem será que está por trás dessas manifestações todas?

Adeus ao velho jurista


     Paulo Brossard, um dos mais destacados juristas brasileiros no combate a ditadura militar, e um dos raros remanescentes do bloco dos "Autênticos" do PMDB, faleceu neste domingo.
     O ex-senador gaúcho morreu aos noventa anos, deixando em seu currículo belíssimas páginas de luta pelos direitos civis do povo brasileiro.
     Obrigado Senador. Que Deus o receba de braços abertos.

Salvador debaixo d'água


     Um verdadeiro dilúvio caiu sobre Salvador na última quinta-feira.
     Nenhuma infraestrutura hídrica é capaz de deter uma inundação dessas, agravada pelas inúmeras obras que a capital baiana vem sofrendo, tanto por parte da prefeitura quanto do governo do Estado.

     A enchente deu lugar a várias piadas nas redes sociais.

RISOS

PEGADINHA

 O cobrador de dívida:

segunda-feira, 6 de abril de 2015

POLITICANDO

Empresas filhas da ditadura


     A ditadura não perseguiu apenas comunistas e democratas, mas perseguiu também muitas empresas cujos proprietários não apoiaram o golpe militar. Os melhores exemplos são a Rede Tupi de Televisão, e a Panair, maior empresa de aviação brasileira até o início dos danos 1960.


      Para substituí-las os militares criaram outras, ou injetaram recursos maciços em pequenas empresas, que assim cresceram à sombra do autoritarismo militar.


      Os melhores exemplos são a Globo e a Varig, criadas ou alimentadas para substituírem a Tupi e a Panair. A Globo recebeu de presente um pacote de milhões de dólares, patrocinado pelo governo, através do acordo com o grupo Time-Life dos Estados Unidos, país profundamente envolvido no golpe militar. A Varig recebeu durante 30 anos a exclusividade das linhas para os exterior, pagas em dólar e com isso pode comprar muitas outras empresas aéreas, como a Real, a Cruzeiro e outras menores.

     Além dessas a Itapemirim (que só fazia a linha Rio-Cachoeiro do Itapemirim), do Empresário Camilo Cola, recebeu linhas de ônibus para onde quisesse e o Bradesco, antigo Banco Brasileiro de Descontos, um banco insignificante, cresceu desmesuradamente com apoio dos militares em detrimentos de tantos bancos que foram sendo fechados pelos militares, como o Banco da Bahia, de tradicional família baiana.

     Com a redemocratização, a Varig e a Itapemirim não aguentaram a concorrência, a que não estavam acostumadas e foram se reduzindo. A Varig faliu e a Itapemirim hoje é uma empresa menor, quase falida.

     As construtoras baianas, Odebrecht e OAS, também foram muito favorecidas nos governos de Antonio Carlos Magalhães, braço civil da ditadura na Bahia e passaram a abocanhar a maior parte das obras no Brasil e no exterior, igualando-se às construtoras mineiras, que cresceram à sombra do governo Juscelino Kubistcheck, beneficiadas pela construção de Brasília.
     Agora, com a devassa iniciada pelo governo da presidente Dilma Roussef contra a corrupção, começa a levantar-se o véu que escondia as grandes negociatas, de cuja existência o povo sempre suspeitou, com envolvimento de grande parte dos políticos brasileiros, arrastando para a lama empresários e políticos que sempre deram as cartas no Brasil.
     Não é à tôa que grande parte da burguesia pede a volta da ditadura militar, criadora do ambiente onde vicejaram essas empresas, verdadeiras ervas daninhas que tomaram conta do meio empresarial brasileiro.

     A operação lava-jato, e a mais recente que começa a desvendar o ambiente de propinas que domina o CARF, espécie de tribunal da receita federal, com poder para cancelar multas bilionárias das empresas, vai desvendando esse ambiente de corrupção e mostrando a verdadeira face desses empresários corruptos e seus "assessores", advogados, doleiros, políticos e lobistas, muitos dos quais pertencem ao próprio partido do governo.
     Até hoje quando se falava em corrupção pensava-se apenas em funcionários públicos. Olhava-se apenas para um lado do problema, o dos corrompidos, mas fingia-se não ver o outro lado, o dos corruptores, maiores beneficiados de todos esses esquemas. Essa verdadeira operação "mãos limpas" deflagrada pela polícia federal, com apoio da Presidência da República, inaugura uma nova era no Brasil de consequências imprevisíveis. Há quem diga que coisas estarrecedoras virão à luz do dia, quando a Caixa Econômica Federal e o Banco do Nordeste forem investigados.
     Quem viver verá. 
     E aqueles que defendiam tão ardorosamente o capitalismo, falando em livre concorrência enquanto subornavam agentes do governo para burlar a justa competição entre as empresas, podem botar suas barbas de molho, pois o pior ainda está por vir.
     Dilma cada vez mais parece-se com o último imperador romano, que consciente da podridão que tomara conta do Império, simplesmente deixou que tudo viesse abaixo, para que um mundo novo surgisse.

     Acho engraçado o pessoal da área de Administração de Empresas, que continua com seus discursos cínicos sobre "marketing", e "competitividade", como se vivessem no melhor dos mundos, enquanto participam ativamente de toda essa sujeirada do mundo corporativo.

PAPO DE ARQUIBANCADA





 
O FLA-FLU DO DESABAFO

Por Juca Kfouri


O Fla-Flu da boca fechada virou o Fla-Flu do desabafo.

Se Vanderlei Luxemburgo abriu os trabalhos ao dizer, com toda razão, que a federação carioca tinha que ser criticada (“levar porrada”), Fred os encerrou com brilho:
 “O Campeonato Carioca tem que acabar. Acabar! Temos que disputar Rio-São Paulo, Sul-Rio. O Carioca tem de acabar!”.

O centroavante acabara de ser expulso de campo ao levar o segundo cartão amarelo, aos 31 minutos de jogo, depois de ter sofrido uma falta e caído batendo o braço na bola.

Não se sabe se ele levou o segundo cartão por simulação ou por mão. Por uma ou outra razão, ou até pelas duas, o assoprador de apito errou. Redondamente.

E tirou Fred do jogo decisivo contra o Madureira. 

Quando o camisa 9 tricolor saiu de campo o Flamengo já vencia por 1 a 0, fruto de um gol de Jonas do meio da rua que Diego Cavalieri aceitou por absoluta falta de concentração.

Mas o jogo, ruim, era o que menos importava, diante de 46 mil torcedores.

Importava o torcedor protestando contra o circo da Ferj e revelando, além de solidariedade diante da injustiça cometida com Luxemburgo, respaldo aos dois presidentes, Eduardo Bandeira de Melo e Peter Siemsen, do Fla e do Flu.

Dez contra 11, o Flu não fazia frente ao Fla no segundo tempo e Alecsandro fez 2 a 0 logo aos 10 minutos, para cantoria da massa rubro-negra, praticamente campeã de mais uma Taça Guanabara, pois enfrenta o Nova Iguaçu, lanterna do Carioquinha, na última rodada, na quarta-feira, dependendo só de si e podendo até perder caso o Botafogo não vença o Macaé.

Aos 44, Matheus Sávio fez 3 a 0 entre as pernas de Cavalieri, numa noite terrível.

O Flamengo ganhará sua 21a. Taça Guanabara, na 51a. edição.

O Vasco ganhou 11 vezes, o Fluminense nove e o Botafogo sete.

América, Americano e Volta Redonda têm uma taça cada um.

Que o Fla-Flu do Desabafo enterre não só a Taça Guanabara, mas o próprio Carioquinha. 

Fonte: Blog do Juca

CLIPE DA SEMANA

         A canção do clipe desta semana é ALGUÉM CANTANDO, composta por Caetano Veloso, interpretada por ele mesmo e Gal Costa.

 Gal e Caetano

DESTAQUE

Espiritualidade e espiritismo


“E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. 
PAULO (Romanos, 12:2.).

     Há anos que venho acompanhando o espiritismo.
     Sempre achei que a grande vantagem dessa religião sobre as outras era a absoluta liberdade que dava a seus discípulos, para serem do jeito que quisessem, entendendo que todos eram espíritos em evolução, passando por suas experiências na Terra, que deveriam ser compreendidas dentro do contexto em que aconteciam.
     Nada de pecado ou moralismo, as portas sempre abertas para todos, sem censura, sem regras, apenas apontando o caminho da caridade cristã como o melhor para alcançar a iluminação e, quem sabe, passar a reencarnar em outros planetas mais evoluídos.
     Mas ultimamente tenho estranhado as palestras do centro que frequento, principalmente quando recebe visitas de outras cidades, que agora chegam cheias de "nãos".
     Um verdadeiro espírita (o que será isto?) não deve fazer isto e aquilo, não deve se rebelar contra nada, precisa se conformar e receber todos os seus infortúnios como se fossem uma predestinação do além para seu aperfeiçoamento.
     Pior, todos os crimes e tragédias que vitimam as pessoas são resultados de malfeitos em vidas anteriores e aqueles que os sofreram estão pagando por crimes ancestrais, como se não ocorressem novos crimes a vitimar inocentes diariamente.
     Esta é uma prática, a meu ver, profundamente anticristã, a de criminalizar as vítimas, como se todas elas fossem culpadas. Não vejo isto em nenhum texto de Alan Kardec, o francês que compilou as respostas dos espíritos sobre a vida depois da morte do corpo. Pelo contrário, parece-me antes de tudo, uma espécie de retorno às fogueiras da igreja católica, na sua ignorância intolerante, ou ao calvinismo, que julgava serem os pobres culpados de pecados imemoriais a serem cumpridos na Terra.
     Aliás, também tenho ouvido este tipo de "explicação" para a injustiça social, de que os pobres estão expiando "pecados" da vida anterior e que o certo é se conformar com tudo e tratar de fazer os "reajustes" necessários para evoluir.
     Será impressão minha ou o fundamentalismo que tomou conta das igrejas protestantes e de alguns setores da Igreja Católica, atingiu também Kardecismo?
     Não consigo entender essa opção pelo fatalismo conformista, numa doutrina que defende o livre-arbítrio como forma de fazer as escolhas que nos levarão à evolução. Imagine se Jesus Cristo seguisse essas regras; com certeza não teria expulso os vendilhões do templo, nem salvo a prostituta de ser apedrejada e muito menos curado as chagas do povo da Palestina.
     Pelo contrário, Cristo nos ensinou a travar o bom combate, lutando contra as injustiças, nos rebelando contra os tiranos corruptos que levam o povo à fome e à miséria, fossem eles judeus ou romanos.
     A César o que é de César, ele nos disse, o que pode ser interpretado como: eles receberão de volta tudo que estão plantando.
     Não há nada de conformista na doutrina cristã, que mais uma vez vai sendo distorcida em prol dos poderosos de plantão, usada como arma para alienar os injustiçados dos seus legítimos direitos.
     Como a vida dá voltas. A Igreja Católica que até há pouco era a meca do conservadorismo, se libertou dele com a ascensão do Papa Francisco, que vem dando seguidas lições ao mundo de como se livrar de velhos preconceitos e olhar para a frente, rumo à construção de um mundo melhor para todos.
     Enquanto isso, a astúcia dos falsos profetas se infiltra silenciosamente nas demais doutrinas, tentando convencer os homens de que esta experiência na Terra é apenas para nos oferecer o sofrimento, como forma de expiação de pecados. Muito útil esse tipo de discurso para que não quer que as coisas mudem.

POESIA DA SEMANA






 Emergência


Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela abafada, esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo — para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.


Mário Quintana

RAPIDINHAS

Já começou


     
      A colonizada mídia brasileira já começou sua campanha contra as olimpíadas, dizendo que "as obras correm perigo de não ficar prontas a tempo", reeditando a campanha "não vai ter copa", ocorrida em 2013 e 2014. 
     O prefeito Eduardo Paes, do Rio, já garantiu que as obras estão todas dentro do prazo, e que os recursos estão garantidos, mas a velha direita vira-lata insiste que o Brasil não pode assumir um lugar de destaque no mundo, tendo que permanecer como simples colônia dos países centrais do capitalismo.
     Vão quebrar a cara mais uma vez. A única vergonha que o Brasil passou na Copa, além da goleada contra a Alemanha, foi mostrar ao mundo essa direita saudosa da ditadura militar.

Maioridade Penal


     
     A Câmara dos Deputados aprovou em comissão, a redução da maioridade penal para 16 anos. Embora a proposta seja amplamente majoritária entre a população brasileira, que não aguenta mais ver jovens entre 16 e 18 anos cometendo crimes impunemente, falta uma legislação que garanta aos jovens uma internação em separado, até completarem 18 anos, evitando que eles sejam simplesmente jogados às feras que habitam nosso sistema carcerário. Aliás, a Câmara deveria aproveitar para reformar o sistema carcerário como um todo, que vive uma eterna situação de caos e desumanidade e as leis que permitem aos presos sair das prisões depois de cumprir apenas um sexto da pena. 
Lei de meios


      Já passou da hora do Brasil aprovar uma lei contra os monopólios na comunicação, como já fizeram Argentina, México e Estados Unidos. Não dá mais para continuar a assistir passivamente a manipulação da Rede Globo e da grande imprensa, fomentando golpes contra a democracia brasileira, à serviço de interesses estrangeiros. Não se trata de controlar conteúdos, mas de permitir que outros setores se manifestem, ampliando o direito de expressão.

 Pobre Rio de Contas


     Não sobrou nada da agência do Banco do Brasil em Rio de Contas.
     Os bandidos não explodiram apenas os caixas eletrônicos, mas levaram o próprio cofre da agência.
     Está na hora de se pensar em um esquema mais efetivo de segurança nas pequenas cidades do interior da Bahia, mantendo helicópteros de plantão em pontos estratégicos, de modo a alcançar qualquer ponto do território do Estado em poucos minutos, como já existe em Minas Gerais. Só assim será possível fazer chegar à tempo os reforços para as pequenas guarnições do interior, que não dispõem de homens e equipamentos suficientes para enfrentar bandidos cada vez mais ousados e bem armados.
     A cidade, que já vive um esvaziamento econômico, devido ao imobilismo da administração municipal, sofreu um golpe sério, com a destruição de sua única agência bancária.

RISOS

Pegadinha